Postado em

Rodovia SP-191: Reabertura de acesso na Av. Ângelo Franzini é discutida em reunião

Pedrinho Eliseu, Ricardo Volpi e Aldo Demarchi, durante reunião no DER

O prefeito de Araras, Pedrinho Eliseu, e o deputado estadual Aldo Demarchi foram recebidos na tarde desta terça-feira (27/04) pelo superintendente do DER (Departamento de Estradas de Rodagem), Ricardo Volpi, para tratar da concessão ao município de Araras do trecho urbano da Rodovia Wilson Finardi (SP-191), na região do Facão.

Pedrinho iniciou as negociações com o Governo do Estado de São Paulo no ano passado, apresentando um projeto de administração do trecho, com o objetivo de reabrir o acesso da Avenida Angelo Franzini (Av. Limeira) aos bairros da região do Bosque de Versalles e Jardim Copacabana. Aquele cruzamento foi fechado em 2009 pela Arteris/Intervias, empresa que administra a SP-191.

Na reunião desta terça-feira, Ricardo Volpi confirmou a viabilidade do projeto apresentado pela Prefeitura de Araras, que pretende fazer intervenções em duas etapas naquela região. A primeira consiste na retirada do “guard rail” da Avenida Limeira e abrir a entrada principal dos bairros. Num segundo momento, o Município pretende duplicar a Avenida Castelo Branco, que dá acesso ao bairro Narciso Gomes.

Esse encontro foi mais uma etapa cumprida por Pedrinho. Em dezembro de 2017 o prefeito de Araras teve um encontro com a direção da Artesp (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo), que se manifestou positivamente a favor do município de Araras. Faltava, então, apenas o acordo com o DER, que confirmou a viabilidade do projeto. O DER é um órgão ligado à Secretaria de Estado de Logística e Transportes e responsável pelas rodovias do Estado de São Paulo.

Aldo Demarchi: o deputado das rodovias

Desde o primeiro mandato na Assembleia Legislativa, o deputado Aldo Demarchi dedica especial atenção à melhoria nas condições de tráfego das estradas paulistas. Os exemplos são muitos, a começar pela duplicação da Rodovia SP-127, que liga Rio Claro a Piracicaba. A obra marcou o primeiro mandato do deputado e foi arrancada praticamente a fórceps do então governador Mário Covas.

“Jamais esquecerei daquele sábado, 15 de março de 1997, quando apresentamos um dossiê sobre os diversos acidentes graves registrados na Fausto Santomauro, especialmente o que provocou a morte de 16 estudantes de Rio Claro e 3 motoristas, em maio de 1994”, aponta o deputado.

Um ano e meio depois a estrada estava duplicada.

Em seguida, quando presidiu a Comissão de Transportes e Comunicações da Assembleia, o deputado estadual Aldo Demarchi ajudou a concretizar o maior projeto de recuperação e pavimentação de rodovias da história recente do Estado.

Dividido em quatro etapas, o Programa “Pró-Vicinais” reformou 12 mil quilômetros de pistas, com investimentos de aproximadamente 5 bilhões de reais. Foram contemplados todos os municípios subordinados às 14 Divisões Regionais do DER, sediadas em Campinas, Itapetininga, Bauru, Araraquara, Cubatão, Taubaté, Assis, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Grande São Paulo, Araçatuba, Presidente Prudente, Rio Claro e Barretos.

Ele também entende que o aumento da segurança de todos que utilizam a malha rodoviária do Estado passa, obrigatoriamente, pelas boas condições de manutenção dos caminhões. Por isso, há pelo menos quinze anos, Aldo Demarchi defende medidas que facilitem a renovação da frota dos veículos de transporte de cargas.

Em 2014, ele teve papel decisivo na edição do Decreto 60.064, que reduziu a base de cálculo do ICMS de 18% para 12% ao contemplar carrocerias, reboques, semirreboques e vagões ferroviários de carga.

Antes, ele havia apresentado o Projeto de Lei 403/2003, que isenta do ICMS os caminhões com capacidade de carga igual ou superior a 14 toneladas que vierem a ser adquiridos por condutores autônomos.

De acordo com o projeto, o motorista deverá comprovar que exerce a atividade de condutor autônomo de transporte de carga em veículo de sua propriedade, que o veículo se destina ao transporte de carga e que não adquiriu, nos três anos anteriores, veículos com isenção de impostos.

Proposta quase na mesma linha está no Projeto de Lei 353/2013, que oferece isenção do ICMS aos transportadores que trocarem seus veículos com mais de vinte anos de uso por caminhões novos.

Já no Projeto de Lei 290/2011, Aldo Demarchi sugere que o IPVA seja pago à vista, no mês de fevereiro, ou em até seis parcelas mensais, vencendo a primeira em janeiro e a última em junho de cada ano.

O imposto relativo aos veículos zero quilômetro também poderá ser pago em até seis parcelas mensais, iguais e consecutivas, desde que a primeira seja quitada no prazo previsto (até 30 dias contados da data da emissão da nota fiscal de aquisição), vencendo as demais no mesmo dia dos meses subsequentes ao do vencimento da primeira.